Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Bombardeiros russos dançam com a morte
nos céus da Europa

Um Tupolev Tu 160 escoltado por um jato francês.
Um Tupolev Tu 160 escoltado por um jato francês. Foto de arquivo.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O fato foi revelado posteriormente visando amortecer seu impacto previsível.

Em 22 de setembro, dos bombardeiros nucleares russos Tupolev TU-16 ingressaram no espaço aéreo europeu pelo norte da Noruega e chegaram até o largo de Bilbao, Espanha, antes de retornar a suas bases, noticiou “Le Figaro” de Paris.

A incursão teve um caráter provocatório e relembrou os piores momentos de tensão da Guerra Fria. Os bombardeiros foram sendo acompanhados por dez aviões de quatro países europeus: Noruega, Grã-Bretanha, França e Espanha.

Os intrusos não aceitavam comunicações nem contato algum. Os dois foram interceptados a uma centena de quilômetros da costa da Bretanha por caças Rafale franceses, segundo o site do ministério da Defesa em Paris.

Então, desviaram para a Espanha onde foram interceptados por caças bombardeiros F18. A dança da morte durou quatro horas.



O Tupolev Tu-160 Blackjack é um grande bombardeiro supersônico construído no fim dos anos 1970 em plena era soviética. E o maior supersônico do mundo e está destinado a ataques a grandes distâncias. Pode leva entre 12 e 24 misseis, com ogivas nucleares inclusive.

O avião só teve seu batismo de fogo em novembro de 2015 bombardeando a população civil na Síria. Vladimir Putin ordenou modernizá-los e relançar sua produção, pois se encontram deteriorados pelo tempo e desfasados tecnologicamente.

A provocação de esta envergadura foi a segunda em 2016. A anterior em costas francesas aconteceu em fevereiro. Nessa ocasião dois Blackjack fizeram um percurso análogo.

Só um dos Tu-160 que protagonizou o incidente podem levar entre 12 e 24 mísseis com ogivas atômicas.
Só um dos Tu-160 que protagonizou o incidente
pode levar entre 12 e 24 mísseis com ogivas atômicas.
O chefe do Estado Maior da Força Aérea francesa, general André Lanata, explicou à France Pressa que esse tipo de manobras “faz parte das gesticulações russas”, segundo “Le Figaro”.

Outros atritos aconteceram com grandes bombardeiros russos Tu-95 Bear sobre o Canal da Mancha em datas recentes.

O jornal “La Vanguardia” de Barcelona sublinhou que a irrupção sem aviso prévio dos aviões de ataque vindos da Rússia, constituíram “um insólito e provocativo movimento da parte de Moscou”.

O maior jornal catalão sublinhou o fato de os bombardeiros terem chegado até Bilbao, grande cidade no mar Cantábrico onde foram afastados pelos F18 espanhóis.

Quatro bases aéreas francesas estão em estado operacional permanente para resguardar o território. Em caso de alerta, os interceptores encostam-se aos intrusos suspeitos e tentam se comunicar.

Se o intruso não responde ou o nível de ameaça parece alarmante, só o primeiro ministro pode dar a ordem de abrir fogo.

Os aviões russos habitualmente não respondem, e criam um enigma a respeito de seus objetivos, por certo não amigáveis.

Mas o Kremlin sabe que tem bons amigos ou opositores moles nos governos da União Europeia e que não tem a temer uma reação firmes, até que um dia aconteça o irreparável.

Em terra, milhões de cidadãos cuidam de suas atividades ou entretenimentos tal vez sem perceber que sobre suas cabeças dá-se um duelo delicado que pode extinguir suas vidas e bens sem aviso prévio.






Nenhum comentário:

Postar um comentário