domingo, 25 de junho de 2017

Na Síria, Moscou põe o mundo à beira do precipício

Putin tenta cerrar de cima mas seus aviões são facilmente derrubados
Putin tenta cerrar de cima mas seus aviões são facilmente derrubados
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Um avião dos EUA derrubou um bombardeiro sírio que atacava tropas da coalisão internacional em combate contra o Estado Islâmico (ISIS) na província de Raqa, cfr. “El País” de Madri.

O incidente estava anunciado. Apenas não se sabia a data e o local. A aviação russa e sua dependência síria ignoram o memorando de identificação mútua e atacam alvos civis ou pró-americanos dependendo das conveniências de Moscou ou de Damasco.

Segundo os EUA, único que forneceu informações verificáveis do incidente, um caça-bombardeiro 18E Super Hornet agiu em defesa própria contra um Sukhoi SU-22 sírio que bombardeava os aliados curdos e árabes em Yadib, no sul da cidade de Tabqa.

O comando militar russo foi advertido previamente para interromper o ataque sobre “amigos”. Mas o costume russo é ignorar todo aviso.

“As ações hostis de Síria contra forças apoiadas pela coalisão que combate o ISIS não serão toleradas”, advertiu mais uma vez o comando aliado.

Su-22 sirio (é o Su-17 da força aérea russa renomeado para exportação)
Su-22 sirio (é o Su-17 da força aérea russa renomeado para exportação)
Nas operações para desalojar o ISIS de Raqa, os EUA também derrubaram um drone armado do exército de Damasco que atacava a soldados aliados.

Nos últimos meses, o Pentágono tinha bombardeado um comboio do regime pro-russo e destruído uma base aérea após o mortífero ataque de aviões sírio-russos com armas químicas contra a população de Jan Shijun, província de Idlib.

A derrubada do bombardeiro foi confirmada pela agência de noticias do governo sírio SANA e por porta-vozes de Washington. Esses responsabilizaram às forças sírias.

A TV síria divulgou comunicado militar com uma versão oposta dizendo seu avião estar atacando “terroristas”. Por sua vez, a resposta russa como que já estava escrita. Ela acusou os EUA de “cínica transgressão da soberania” da Síria.

Em Moscou, o ministério da Defensa acrescentou que “nas zonas onde a aviação russa cumpre missões de combate no céu da Síria, qualquer objeto voador, inclusive aviões e aparelhos não pilotados (drones) da coalisão internacional, que sejam detectados ao oeste do rio Eufrates, serão considerados como alvos aéreos”, registrou “El País” de Madri.

FA18 sobre o porta-aviões Truman. Um como este derrubou o Su-22
FA18 sobre o porta-aviões Truman. Um como este derrubou o Su-22
Após a declaração russa, o chefe do Estado Maior Conjunto dos EUA, general Joseph Dunford, garantiu que procura restabelecer as linhas de comunicação com a Rússia para evitar confrontos.

Mas Dunford esclareceu que em verdade as forças americanas “podem se defender sozinhas”, façam ou digam os russos o que quiserem.

Moscou já interrompera a vigência do memorando após os EUA lançarem 59 misseis Tomahawk sobre a base de Shayrat, desde onde foi lançado um ataque químico contra a província de Idlib.

Mas em abril, o vice-ministro de Exteriores, Serguéi Riabkov, com palavras muito enroscadas rebaixou a qualificação da posição russa à categoria de bravata dizendo que a Rússia continuava o intercambio de informação com os EUA.

Em maio, o chefe do Estado Maior da Rússia, Valeri Gerásimov, confirmou telefonicamente a seu homólogo americano general Joseph Dunford, que queria “restabelecer plenamente a vigência do memorando”, informou a agência russa TASS.

Área das ações.
Área das ações.
O canal de comunicação é vital para evitar confrontações que podem degenerar e se ampliar facilmente entre forças que na prática se contrapõem, embora enfrentando um inimigo comum, comentou “El Mundo” de Madri.

Os ideólogos putinistas e seus “agentes de influência” no Ocidente apresentam a guerra da Síria quase como uma cruzada contra o globalismo americano que quer esmagar os povos do mundo. Esse estaria sendo hoje seria o caso da Síria – leia-se a ditadura filo russa de Assad.

A Rússia não mostra escrúpulos na hora de ir mais longe na sua cruzada sob o signo de uma anti-cruz toda feita de mentiras.

Assim está pondo o mundo permanentemente na beira do precipício.










domingo, 18 de junho de 2017

Assassinos disfarçados caçam inimigos de Putin
na Ucrânia e no mundo

Osmayev e Amina respondem aos jornalistas sobre a tentativa de assassinato em Kiev
Osmayev e Amina respondem aos jornalistas sobre a tentativa de assassinato
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Um homem alto e elegante, de terno escuro, falando com sotaque francês se apresentou a políticos de Kiev como “Alex Werner”, jornalista do bem conhecido “Le Monde” de Paris, segundo reportagem do “The New York Times”.

“Era calmo e confiante”, lembrou Amina Okuyeva que quase foi morta por ele. O marido de Amina ficou famoso na Ucrânia como voluntário checheno na guerra contra os separatistas no leste do país e “Werner” procurou entrevistá-la várias vezes.

Até que a entrevista marcada virou aterrorizante tiroteio. “Werner” de fato era um assassino checheno enviado da Rússia para matar o herói dos ucranianos. Artur Denisultanov-Kurmakayev era seu verdadeiro nome e fora enviado para matar Amina Okuyeva e seu marido, Adam Osmayev.

Mas o crime ficou frustrado porque Amina estava armada.

Em 2006, o governo russo legalizou os assassinatos praticados no exterior contra adversários que o Kremlin rotula de ameaça terrorista, retomando uma prática da era soviética.

Denisultanov-Kurmakayev se instalou um ano em Kiev, misturando-se com políticos e ativistas anti-Rússia. Mas Amina desconfiava: ele carregava um notebook que quase não usava; seus ternos eram caros demais.

O pedido de entrevista foi comum: “a imprensa nos pedia entrevistas com frequência”, explicou ela. “A mídia adora escrever sobre nós”. Amina e seu marido Osmayev, são conhecidos na Ucrânia.

O matador Artur Denisultanov-Kurmakayev bancou de jornalista do 'Le Monde'.
O matador Artur Denisultanov-Kurmakayev
bancou de jornalista do 'Le Monde'.
Por sua vez, o governo russo acusa Osmayev de planejar a morte de Vladimir Putin. Ele foi preso na Ucrânia, mas sua extradição para a Rússia foi bloqueada pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Depois da revolução anti-russa ucraniana em 2014, Osmayev foi comandante do batalhão de chechenos Dzhokhar Dudayev que lutava contra os separatistas pro-russos.

O casal sabia que era visado. “Putin está pessoalmente interessado em livrar-se de nós”, explicou Amina.

O suposto “Werner” propôs ir até a embaixada da França e disse que tinha um presente para o casal enviado pelos diretores do “Le Monde”.

Na rua pediu parar o carro para fazer a entrevista no banco e lhes entregar o presente embrulhado em belo pacote vermelho.

Enquanto o assassino dizia “este é o seu presente” puxou uma arma de fogo e disparou.

O tiro feriu Osmayev que lutou com o atacante e apanhou sua arma. Amina carregava uma pistola e atirou quatro vezes em Denisultanov-Kurmakayev que ficou gravemente ferido, mas salvou-se.

A tentativa de assassinato praticada por agentes russas não é nova. É até relativamente frequente. Essa foi a terceira vez que uma figura de notoriedade sofreu em Kiev um atentado de morte planejado desde a Rússia.

O ex-legislador russo exilado na Ucrânia, Denis Voronenkov, foi baleado em março na rua diante do hotel Premier Palace em Kiev. Foi salvo pelo guarda-costas que abateu o matador.

Em 2016, um carro-bomba foi jogado contra o jornalista Pavel Sheremet no centro da capital.

O Ministério do Interior e legisladores da Ucrânia culparam o serviço de inteligência russo pelo crime contra Osmayev e Amina. “Temos a prova de que a Rússia está cometendo atos terroristas em outros países”, disse o deputado Anton Gerashenko.

“Ele poderá contar quem o mandou para cá e por que”, disse.

Amina na saída do hospital em Kiev. Ela desconfiou, foi armada, e salvou  casal.
Amina na saída do hospital em Kiev.
Ela desconfiou, foi armada, e salvou  casal.
Em 2008, responsáveis austríacos detiveram Denisultanov-Kurmakayev que impetrou asilo dizendo ser um delator checheno. Na realidade, tinha recebido a missão de matar a Umar Israilov, um dissidente que prestou depoimento na Corte Europeia dos Direitos Humanos contra o líder putinista na Chechênia Ramzan A. Kadyrov.

Ele delatou que seu chefe na Rússia tem uma lista de 300 inimigos a ser mortos. Também alegou que não quis cometer o homicídio e se entregou à polícia austríaca para ser protegido da vingança de seus chefes russos pelo fato de não executar a ordem.

Umar Israilov, o dissidente que ele tinha ido matar em Viena foi abatido a tiros por desconhecidos numa rua da capital austríaca dois meses depois.

Esses procedimentos altamente imorais e friamente calculados no Kremlin já produziram outras vítimas infelizmente celebrizadas pelo seu extermínio.

Muito famoso foi o caso do ex-espião russo Alexander Litvinenko assassinado em Londres com polônio-210 como em crimes precedentes.


Confira: Justiça britânica: Litvinenko foi assassinado com a anuência de Putin

domingo, 11 de junho de 2017

Doutrina ocultista anticristã assoma por trás do “cristianismo putinista”

René Guenon e Fritzhof Schuon, que passaram ao islamismo místico inspiram o 'novo cristianismo que vem da Rússia'
René Guenon e Fritzhof Schuon, que passaram ao islamismo místico
inspiram o 'novo cristianismo que vem da Rússia'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: O lado oculto da “manobra Putin”



No Colóquio 'Ocidente contra a Europa', assistido por Jeanne Smits, o discurso contra o Ocidente ficou obcecado pela exaltação da herança “heleno-romana e cristã” da Europa, que seria mantida com exclusividade pelo Patriarcado de Moscou.

A jornalista ficou estranhada pela sistemática omissão da herança histórica e cultural católica, ou com a ausência de noções religiosas básicas, como os Dez Mandamentos.

Na abertura, o tesoureiro da Sofrade, Louis de Sivry, saudou a presença dos conselheiros das embaixadas russa e iraniana em Paris. O que tem a ver o Irã governado por fanáticos xiitas com a causa do cristianismo ou da "herança greco-romana?" – perguntou Jeanne Smits em seu site reinformation.tv..

Mas logo lembrou que o presidente da Sofrade possui a empresa Tzar Consulting que acompanha projetos comerciais em “zonas geográficas não convencionais”, especialmente no Irã.

A Rússia de Putin foi o leitmotiv.

Nicola Mirkovic, colaborador da agência Sputnik e da Russia Today – dois grupos da propaganda putinista –, propôs substituir a União Europeia por uma União que vá de Brest (no Atlântico) até Vladivostok (no Pacífico).

Em outros termos trocar Bruxelas por Moscou num esquema mais esmagador das identidades nacionais do que a atual UE.

domingo, 4 de junho de 2017

O lado oculto da “manobra Putin”

Jeanne Smits quis saber o que havia por trás do fascínio de Putin sobre pessoas que seriam suas vítimas
Jeanne Smits quis saber o que havia por trás
do fascínio de Putin sobre pessoas que seriam suas vítimas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Jeanne Smits, ex-diretora de redação e ex-gerente de “Présent”, jornal que funciona como porta-voz oficioso do Front National de Marine Le Pen, conhece bem os meandros dos movimentos da direita europeia.

Como jornalista, participou em Paris do colóquio O Ocidente contra a Europa, organizado pela Sofrade (Société française de démographie) e presidido singularmente de Moscou por Fabrice Sorlin.

O evento se realizou em 1º de abril no auditório da Maison de la Chimie com a presença de movimentos de países europeus e sobretudo da “Grande Rússia”.

Jeanne Smits apresentou um pormenorizado relato em seu site reinformation.tv.

Ela queria saber de onde provém a admiração por Vladimir Putin de amigos seus, pertencentes a grupos identitários, soberanistas e anti-imigração, que julgam ver no ex-coronel da KGB um líder defensor da família, uma muralha contra o liberalismo americano, o terrorismo islâmico, etc.

O fenômeno é tão singular que, segundo a jornalista, dez dias antes das eleições, em plena campanha presidencial, Marine Le Pen foi procurar “uma forma de sagração por Vladimir Putin em Moscou”.

O gesto foi qualificado como “corajoso e bem-vindo” por Philippe de Villiers, político que defende posições opostas à ideologia dos pensadores próximos de Putin, como Aleksandr Dugin – o “Rasputin de Putin” – e o “oligarca” Konstantin Malofeev.

No Colóquio, Smits teve uma imensa surpresa.