domingo, 15 de setembro de 2013

Primeiro-ministro húngaro denuncia no Parlamento Europeu métodos stalinistas da UE

Orban no Parlamento Europeu
Orban no Parlamento Europeu
O Parlamento Europeu prossegue em sua ofensiva cristofóbica contra indivíduos, costumes, leis e países que afirmem de algum modo, ainda que incompleto, sua fidelidade ao catolicismo ou às tradições históricas cristas.

A Constituição e o governo da Hungria estão na sua mira pelo “delito” de cristianismo e tradições cristãs. Os eurodeputados aprovaram em julho um relatório condenando medidas nesse sentido do governo magiar, além de outras que a nação de Santo Estêvão está no seu direito de adotar em nome da tão propalada democracia.

O Parlamento Europeu “recomendou” à Hungria 30 iniciativas para ela se ajustar às normas comunitárias, como se aquela nação não fosse independente e soberano.

A votação se deu após tenso debate em que o primeiro-ministro Viktor Orbán comparou o órgão pan-europeu com o regime comunista que oprimiu e devastou seu país, noticiou o jornal de Madri “El País”.


“Eu sei o que significa ser um cidadão de segunda classe. […] Eu fui contra o comunismo e não quero voltar a passar por essa experiência. Não quero uma Europa onde os países ficam sob vigilância, onde há duas medidas diferentes para medir. Lutaremos contra isso” – disse corajosamente Viktor Orbán no início de um debate de mais de duas horas na sede do Parlamento Europeu em Estrasburgo.

Orban: "eu fui contra o comunismo
e não quero voltar a passar por essa experiência"
A evidente analogia entre a União Europeia e o velho modelo ditatorial soviético foi logo percebida pelos deputados de esquerda, que quais ladrões surpreendidos com a mão no bolso de sua vítima, reagiram furiosamente.

Na polêmica, o deputado húngaro József Szájer deplorou o tempo insuficiente que lhe foi concedido, e exclamou: “Até Stalin dava mais tempo aos dissidentes”. Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, cortou-lhe abrupta e “democraticamente” a palavra, gritando: “Chega!”.

O “Relatório Tavares” (obra do deputado verde Rui Tavares) critica 500 mudanças feitas na legislação húngara em pouco mais de um ano e que apagam importantes restos da ditadura soviética.

O relatório verde também se volta contra a definição de família como sendo exclusivamente a união entre um homem e uma mulher.

Tavares recomendou à União Europeia a criação de um mecanismo de controle das práticas democráticas que ele mesmo atropelou em seu relatório, a serem aplicadas sobre todos os países para evitar condutas indesejadas como a de Budapest. Precisamente o que o premier húngaro compara com o mecanismo de repressão comunista aos países escravizados.

O informe de cunho totalitário foi aprovado pelos social-democratas, os liberais, os verdes e a extrema esquerda. Foi recusado pelos “populares” e pelo grupo conservador dos eurocéticos britânicos e poloneses: 370 votos a favor, 249 contra e 82 abstenções.

O eurodeputado Guy Verhofstadt, líder liberal belga, pediu que a Hungria perdesse seu direito a voto. Mais uma fiel demonstração da continuidade dos procedimentos ditatoriais marxistas para silenciar os que discordam.


Desejaria receber atualizações gratis e instantâneas do blog 'Flagelo russo' no meu E-mail

4 comentários:

  1. O eskerdismo/socialismo/komunismo/marxismo/satanismo eh a religiao dos doentes da alma. So o Sehor Jesus para cura-los.

    Antonio.

    ResponderExcluir
  2. http://darussia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eis a explicação, de uma forma didática e objetiva, da situação atual do mundo e do Brasil, nas palavras do dissidente soviético Yuri Bezmenov, em palestra proferida no ano de 1983 na Summit University de Los Angeles, Califórnia, EEUU, e em entrevista concedida em 1984 ao jornalista G. Edward Griffin.

    Claro que ninguém acreditou. O resultado desse ceticismo é visível, principalmente no Brasil, terreno fértil para a germinação do lixo ideológico comunista.

    http://www.youtube.com/watch?v=xgJD4YJ2TOc

    http://www.youtube.com/watch?v=kJqVB0fcRyA

    Grato por sua atenção.
    Marcos Braga

    ResponderExcluir
  4. Peço a gentileza de assistirem aos dois vídeos abaixo, para saberem contra que tipo de força nós, brasileiros de bem, estamos lutando.

    Eis a explicação, de uma forma didática e objetiva, da situação atual do mundo e do Brasil, nas palavras do dissidente soviético Yuri Bezmenov, em palestra proferida no ano de 1983 na Summit University de Los Angeles, Califórnia, EEUU, e em entrevista concedida em 1984 ao jornalista G. Edward Griffin.

    Claro que ninguém acreditou. O resultado desse ceticismo é visível, principalmente no Brasil, terreno fértil para a germinação do lixo ideológico comunista.

    http://www.youtube.com/watch?v=xgJD4YJ2TOc

    http://www.youtube.com/watch?v=kJqVB0fcRyA

    Grato por sua atenção.
    Marcos Braga

    ResponderExcluir