Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Irã está provocando no Golfo Pérsico
adverte comandante militar dos EUA

EUA reage contra provocação no Golfo. A foto foi distribuída pelo Irã
EUA reage contra provocação no Golfo. A foto foi distribuída pelo Irã
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No Golfo Pérsico, passagem vital do petróleo do qual depende Ocidente lanchas iranianas agiram de maneira provocativa contra naus de guerra americanos.

O general Joe Votel, chefe do Comando Central americano na região acusou Teerã de agir de forma pouco segura e “provocadora” realizando manobras arriscadas perto de navios dos Estados Unidos, informou UOL Notícias.


Um desses abriu fogo de advertência, mirando o mar nas proximidades de uma das lanchas.

Na semana anterior, o Pentágono denunciou uma série de encontros “pouco profissionais” no Golfo gerados pelo Corpo de Guarda Revolucionária do Irã.

“Em dias recentes, temos sido testemunhas de mais atividades provocadoras da Guarda Revolucionária e navios da Marinha”, afirmou o general Votel.

“Este tipo de comportamento é muito preocupante e esperamos ver as forças navais do Irã agir de um modo mais profissional”, acrescentou.



As provocações seguem o esquema posto largamente em prática pela “nova-Rússia” com aproximações perigosas insinuadoras de ataques reais mas nunca efetivados. Até o presente, pelo menos.

O acirramento da nova Guerra Fria vem suscitando fundados temores acrescidos pelas atitudes entreguistas do candidato presidencial americano Donald Trump.

O relacionamento do regime fundamentalista islâmico de Teerã e o renascido ‘fundamentalismo stalinista’ imperante em Moscou vem de longa data mas se intensificou mais recentemente.

Lanchas iranianas do tipo que protagonizaram as provocações.
Lanchas iranianas do tipo que protagonizaram as provocações.
Bombardeiros russos usaram bases iranianas para ataques na Síria, supostamente contra alvos do Estado Islâmico não confirmados.

O general Votel observou que 90% dos encontros pouco seguros com embarcações iranianas são conduzidos pelas Forças Qods, elite da Guarda Revolucionária islâmica que responde diretamente aos aiatolás xiitas.

Além disso, se disse “preocupado” por alguns comandantes dos Qods “que estão operando de forma provocativa e tentam nos pôr à prova”.

O Pentágono indicou que o momento mais dramático dos incidentes ocorreu quando embarcações iranianas manobraram ao redor de dois navios-patrulha americanos, o USS Squall e o USS Tempest simulando uma operação de guerra.

Apesar das múltiplas advertências por rádio e alto-falantes, uma embarcação iraniana aproximou-se a menos de 200 metros de um dos navios americanos.

Finalmente, o Squall fez três disparos de advertência, após o que as forças iranianas escapuliram como puderam.

Vídeos com os Flagrantes do maior incidente no Golfo Pérsico:





2 comentários:

  1. "atitudes entreguistas do candidato presidencial americano Donald Trump"; quem foi que retirou as sanções econômicas ao governo iraniano? Obama. Quem era a secretária de Estado? Hillary Clinton. E, disso, concluímos que o Trump é o entreguista, sendo que ele ainda nem foi eleito.

    ResponderExcluir
  2. O Donald Trump não deveria ser eleito, não porque é entreguista, ele não deveria ser eleito por não ser político, ele é um bom administrador, não é sem motivo que ele é um bilionário, mas para presidir um país precisa de outras qualidades que Donald Trump não possui; o Brasil elegeu duas vezes um presidente nos moldes do Donald Trump, Collor e Dilma, os dois falharam por não serem políticos e não terem experiência nesta área, o mesmo acontecerá com Donald Trump, se ele não afundar os Estados Unidos

    ResponderExcluir