Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 16 de outubro de 2016

Tal como na velha URSS:
a fraude eleitoral na “nova Rússia” – 1

Fraude estava arrumada há tempo
Fraude estava arrumada há tempo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Nunca as eleições para a Duma (Câmara baixa) da Rússia prometeram ser tão tediosas quanto as que acabaram se realizando no dia 18 de setembro, observou “El País” de Madri, jornal afim ao ideário socialista.

O resultado estava anunciado há tempos e foi atingido ao pé da letra: vitória arrasadora de Vladimir Putin.

As instituições do Estado estão tão debilitadas que já não dizem mais nada para os cidadãos. O sistema político evoca uma arcaica monocracia baseada na vontade discricionária do chefe absoluto, prosseguiu o jornal.

A população está achincalhada pela deterioração do nível de vida, da alta de preços de medicamentos, alimentos e tarifas dos serviços públicos, assim como dos abusos das autoridades locais.

O presidente-árbitro é o déspota que pode tudo. Exemplo patético disso foi dado pelo oligarca Vladimir Evtuchenkov, de quem foi tirada a florescente empresa petrolífera Bashneft devido às ambições de seus concorrentes, todos eles vassalos do chefe único.

Embora humilhado e despossuído, Evtuchenkov voltou para dar graças a Putin por livrá-lo do confinamento a que tinha sido submetido pelos órgãos de segurança dependentes do próprio Putin!

“Antes se dirigiam ao imperador (em busca de justiça), e agora nos dirigimos ao presidente”, explicou Evtuchenkov no canal de televisão Dozhd, citado pelo jornal espanhol.



O coronel Dmitri Zajarshenko, do Ministério do Interior, foi preso depois de lhe confiscarem o montante de 8 bilhões de rublos (mais de R$ 400 milhões), guardado em sacas em sua casa, segundo a agência Interfax. A soma poderia ser a recompensa de algum outro oligarca em fuga depois de ter sido alertado a tempo.

“Ninguém está a salvo hoje na Rússia. Nem os oligarcas fiéis, que podem ser presos mediante o uso seletivo de alguma das acusações acumuladas contra eles, nem os governadores, que também são detidos, como Nikita Belikh, de Kirov, e seus colegas de Komi e Sajalin”, escreveu “El País”.

Políticos opositores encontraram a morte em condições suspeitas. Na foto, o corpo do dissidente Boris Nemtsov.
Políticos opositores encontraram a morte em condições suspeitas.
Na foto, o corpo do dissidente Boris Nemtsov.
“A nova legislação permite encarcerar quem se manifestar contra a unidade do Estado (até cinco anos de prisão) e serviu para punir o cidadão Vladimir Luzguin por ‘reabilitar o nazismo’ difundindo um comentário segundo o qual Alemanha e União Soviética tinham desencadeado a Segunda Guerra mundial ao atacar a Polônia e repartir seu território”, exemplificou o jornal de Madri.

Até a verdade histórica virou crime, quando não cai no goto do chefe supremo e não serve para a expansão da “nova URSS”!

A URSS bolchevique fazia paródias de eleição que consagravam com mais de 99% os candidatos do Partido Comunista, resultados previamente anunciados e nunca levados a sério pelo mundo.

Após fugaz liberalização na década final do século XX, Putin extinguiu qualquer veleidade de votar no candidato preferido que pudesse ter nascido entre os russos.

E agora o partido fundado por ele – Rússia Unida – obteve 343 das 450 cadeiras que formam a Duma, a Câmara dos Deputados, 105 a mais que em 2011. Resultado cada vez mais perto do ideal na URSS!

A Comissão Eleitoral Central da Rússia anulou os resultados em nove seções, por irregularidades registradas durante a eleição do novo Parlamento, noticiou a UOL.

Episódios como esses se repetem mais ou menos em todas as eleições do mundo. A decisão oficial contribuiu para dar a impressão que a “vitória arrasadora” de Vladimir Putin aconteceu sob um olhar atento das autoridades para impedir abusos.

Porém, o pleito transcorreu num ambiente de irregularidades histriônicas até para os nossos países. Os cidadãos russos desconhecem historicamente as eleições. Elas não existiam sob o czarismo, exceção feita em seus anos terminais.

É o que veremos no próximo post.


Continua no próximo post: Fraude arrasa na Rússia mas macrocapitalismo midiático ocidental acaba aceitando – 2

Fraudes inacreditáveis nas urnas da "nova-URSS" deram vitória esmagadora a Putin:






4 comentários:

  1. As eleições americanas também não são exemplos para ninguém:

    https://www.youtube.com/watch?v=NnYkKaI_ZZQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado! Brasileiro não sabe nem escolher um vereador ou um prefeito que preste e fica dizendo como os outros países devem ser! hehe

      Excluir
    2. Pois é. Fica pior quando pega o circo armado que são as eleições americanas como exemplo.

      Excluir
  2. http://libertoprometheo.blogspot.com.br/2016/10/russia-uma-ditadura-eurasiana-tao.html

    ResponderExcluir