terça-feira, 26 de maio de 2020

Cardeal Burke: Consagração da Rússia a Nossa Senhora é 'mais necessária agora do que nunca'

“A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria é mais necessária hoje do que nunca”
“A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria
é mais necessária hoje do que nunca”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A consagração da Rússia a Nossa Senhora pedida em Fátima agora é “mais necessária do que nunca” defendeu em 20 de maio de 2020 o cardeal Raymond Burke.

O Cardeal fez o urgente apelo no Fórum Virtual da Vida em Roma, organizado pela Voz da Família.

Ele sublinhou que a atual crise mundial de coronavírus mostra a necessidade mais premente -- “mais necessário agora do que nunca”-- de extinguir o foco dos males que flagelam da humanidade.

A pandemia patenteou que os "erros da Rússia" estão instalados no mundo comunista -- países e movimentos -- e dali se irradiam para todo o planeta.

Texto completo em: Cardinal Burke calls for Consecration of Russia to Immaculate Heart of Mary

O Cardeal conectou os erros da Rússia comunista à crise atual, destacando o papel proeminente que o regime comunista ateu da China desempenhou na pandemia global.

“A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria é mais necessária hoje do que nunca”, insistiu ele segundo recolheu Life Site.

Quando testemunhamos como o mal do materialismo ateísta, que tem suas raízes na Rússia, dirige de maneira radical o governo da República Popular da China, prosseguiu, reconhecemos que o grande mal do comunismo deve ser curado em suas raízes através da consagração de Rússia, como Nossa Senhora ordenou.


“Para o impedir, virei pedir a consagração da Rússia a Meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos primeiros sábados.

“Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja.

“Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas. “Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará.

“O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz.

“Em Portugal se conservará sempre o dogma da Fé, etc.” (Carmelo de Coimbra, p. 63).

“Reconhecendo a necessidade de uma conversão total do materialismo ateísta e do comunismo para Cristo, o chamado de Nossa Senhora de Fátima para consagrar a Rússia ao seu Imaculado Coração, de acordo com sua instrução explícita, permanece urgente.”

O Fórum Virtual da Vida em Roma, aconteceu de 20 a 22 de maio, e teve como tema “Coronavírus à luz de Fátima: uma tragédia e uma fonte de esperança”.

O mal que tem suas raízes na Rússia, dirige de maneira radical o governo da China”
“O mal que tem suas raízes na Rússia,
dirige de maneira radical o governo da China”
A palestra do Cardeal “Fátima: a resposta do Céu para um mundo em crise”, tratou antes de tudo da pandemia de coronavírus, da suspensão atual das liberdades e das ameaças de piores violações aos direitos da pessoa humana, registrou Life Site.

Burke declarou que “nunca é moralmente justificado desenvolver uma vacina através do uso de linhas celulares de fetos abortados” e que o simples pensamento de que ela seja injetada no corpo de uma pessoa é “absolutamente abominável”.

Ele também observou que a vacinação não pode ser imposta “de maneira totalitária” aos cidadãos.

Ele também criticou as propostas de colocar microchips sob a pele das pessoas, o que lhes permitiria ser “controlados pelo Estado em relação à saúde e a outros assuntos”.

Estas monstruosas propostas estão chegando da China, cujo regime suspeito de ter acobertado e favorecido a eclosão da pandemia, agora se arvora sem título algum de líder mundial na luta contra o Covid-19.

Burke disse que a atual quarentena não é modelo de como Deus “nos chamou para viver” de forma estável. Aliás, se prolongando abusivamente mais se assemelharia à ditadura comunista.

O Cardeal observou que há pessoas usando a pandemia para promover um “governo mundial único”, impor utopias ambientalistas e até mudanças radicais na prática da fé católica.

O Cardeal também criticou a maneira como alguns líderes da Igreja reagiram à pandemia do COVID-19, dizendo que houve um “fracasso” em anunciar o Evangelho e insistir para que a Igreja possa continuar sua missão.

Pessoas usam a pandemia para promover um “governo mundial único”, impor utopias ambientalistas e até mudanças radicais na prática da fé
Pessoas usam a pandemia para promover um “governo mundial único”,
impor utopias ambientalistas e até mudanças radicais na prática da fé
“Sacerdotes e bispos individuais têm sido sábios e corajosos ao encontrar os meios para permanecer perto do rebanho de Deus sob seus cuidados, principalmente levando os sacramentos aos doentes e moribundos.

“Mas, infelizmente, a impressão geral entre os fiéis é que seus hierarcas foram afastados deles ou os abandonaram”, disse o cardeal.

“Agora há semanas vem sendo negados os sacramentos à maior parte dos fiéis”. Mais uma semelhança com os regimes comunistas, acrescentamos nós.

Burke deplorou a interferência do Estado no culto da Igreja durante a pandemia.

Ele criticou as propostas de novas formulações materiais na presença e prática religiosa, quando a epidemia termine, inclusive tornando a participação na missa de domingo opcional para os fiéis.

O cardeal refutou os pastores que consideram os fiéis católicos egoístas por quererem os sacramentos durante a emergência, dizendo que esse desejo dos leigos está “no coração da nossa fé”.

Burke também criticou os métodos irreverentes propostos para a Comunhão dos Fiéis.

O comunismo continua a ameaçar o mundo através da China
O comunismo continua a ameaçar o mundo através da China

Burke sublinhou o assunto da República Popular da China, observando que a ditadura acredita que única religião aceitável é a própria China.

O Cardeal disse que seu papel na gênese da pandemia, sua influência sobre as autoridades de saúde e seu poder sobre outras nações levantaram graves interrogações.

O Cardeal destacou que o materialismo ateu e o comunismo que ameaçaram a fé católica em 1917, ano aliás em que Fátima colidiu com a Revolução Bolchevista, continuam a ameaçar o mundo através da República Popular da China.

De fato, a China não é mais do que um subproduto revolucionário dos “erros da Rússia” que Nossa Senhora advertiu que flagelariam o mundo se não fazia penitência.

O Cardeal explicou que a pandemia e os conchavos montados pelo ambientalismo e a teologia pós-conciliar chamaram a atenção do público para as mensagens de Fátima.

O Cardeal Burke recomendou rezar diariamente pela conversão da Rússia, para que essa faça penitência e repare os pecados que espalhou no mundo.

Acrescentamos que essa expansão dos erros da Rússia não poderia ter acontecido sem a cumplicidade de revolucionários igualitários e sensuais, herdeiros da Revolução Francesa e da Revolução Protestante, que agem na cúpula dos países livres e no próprio Vaticano.


Um comentário:

  1. Além das questões diretamente referentes à Fátima, que foram muito bem abordadas, me chamaram a atenção a questão das vacinas com linhas celulares de fetos humanos e a implantação de chips sob a pele humana. Duas questões pouco comentadas na grande mídia, mas que são realmente preocupantes!

    ResponderExcluir